Pesquisar

Envie sua imagem


Você tem interesse em enviar um caso para divulgação? Siga a orientação abaixo. BRAVS Image: plataforma para publicação de uma imagem em alta qualidade e breve legenda de 2 a 5 frases resumindo o caso.

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

*Segure a tecla "Ctrl" para selecionar mais de uma tag.

Entrada Inválida

Novo vídeo em destaque no BRAVS Tube!

BRAVS NEWSLETTER
emm1
Bem-vindo a BRAVS Newsletter!
 
Ela tem como objetivo ser mais um canal de comunicação, utilizando como veículo o e-mail dos associados para trazer as novidades mais relevantes postadas no novo portal da SBRV/BRAVS, e traz também resumos de artigos científicos relevantes. A Newsletter da BRAVS é mais um canal aberto visando aumentar a interação dos sócios com o nosso portal e valorizar o papel do associado em nossa sociedade.
SELEÇÃO DE ARTIGOS
Un-explained visual loss following silicone oil removal: results of the Pan American Collaborative Retina Study (PACORES) Group
O estudo analisou 324 pacientes submetidos a remoção de óleo de silicone. Em 13% dos casos, observou-se perda visual significativa após a remoção do óleo. Em 7,1% dos olhos, haviam causas pré-determinadas. Nos 19 olhos remanescentes, a perda visual não foi explicada por nenhuma outra patologia. Comparando-se olhos que tiveram e não tiveram a perda visual, os olhos que tiveram piora apresentaram pressão intraocular pré-operatória mais elevada e tamponamento com óleo de silicone por período mais longo.
Autores: Jose A. Roca, Lihteh Wu, Maria Berrocal, Francisco Rodriguez, Arturo Alezzandrini, Gustavo Alvira, Raul Velez-Montoya, Hugo Quiroz-Mercado, J. Fernando Arevalo, Martín Serrano, Luiz H. Lima, Marta Figueroa, Michel Farah and Giovanna Chico
XeCE0cABF0440
LEIA +
 
Baseline Factors Affecting Changes in Diabetic Retinopathy Severity Scale Score After Intravitreal Aflibercept or Laser for Diabetic Macular Edema: Post Hoc Analyses from VISTA and VIVID
Esta análise post-hoc dos estudos VIVID e VISTA buscou avaliar quais variáveis oculares e sistêmicas influenciaram a melhora em dois graus na escala de severidade da retinopatia (Diabetic Retinopathy Severity Scale). Foram analisados 456 pacientes com edema macular diabético envolvendo a fóvea. Idade do paciente, duração do diabetes, nível de hemoglobina glicada, indice de massa corpórea, acuidade visual corrigida e espessura macular central não foram relevantes na melhora da escala da retinopatia. O score de retinopatia inicial foi o único fator estatisticamente relacionado à melhora do score. Uma proporção relativamente mais alta de pacientes com pior acuidade visual basal e maior espessura macular central obteve melhora do grau da retinopatia, mas não se atingiu significância estatística para estas variáveis.
Autores: Dilsher S. Dhoot, Keith Baker, Namrata Saroj, Robert Vitti, Alyson J. Berliner, Carola Metzig, Desmond Thompson, Rishi P. Singh
unnamed
LEIA +
Incidence and Outcomes of Infectious and Noninfectious Endophthalmitis after Intravitreal Injections for Age-Related Macular Degeneration
Este artigo objetivou verificar a incidência, taxa acumulada e resultados a longo prazo de casos de endoftalmite infecciosa e não infecciosa após injeções intravítreas de anti-VEGF. Este foi um estudo desenhado prospectivamente, com análise de banco de dados, de pacientes que iniciaram terapia anti-VEGF entre 2006 e 2016.
Endoftalmite infecciosa ocorreu em 18 de 88150 injeções realizadas (1/4897 injeções- 0,020%), e não houve diferença entre os diversos tipos de anti-VEGF. A chance acumulada de endoftalmite por paciente foi de 0,055%, 0,183%, 0,360%, 0,360%, 0,555% e 0,843% após 10, 20, 30, 40, 50 e 60 injeções consecutivas de anti-VEGF. Entretanto, o risco de endoftalmite infecciosa não aumentou com cada injeção sucessiva. Endoftalmite não infecciosa ocorreu em 11 de 88150 injeções (0,012%), e foi mais comum após bevacizumabe quando comparado a ranibizumabe ou aflibercepte. A acuidade visual após endoftalmite infecciosa e não infecciosa caiu duas linhas quando comparado a pré-endoftalmite, em 53 e 75%, respectivamente.
Autores: Vincent Daien, MD, PhD, Vuong Nguyen, PhD, Rohan W. Essex, MB, BS, Nigel Morlet, MB, BS, Daniel Barthelmes, MD, PhD, Mark C. Gillies, MB, BS 
unnamed
LEIA +
Foveal Avascular Zone Area After Internal Limiting Membrane Peeling for Epiretinal Membrane and Macular Hole Compared With that of Fellow Eyes and Healthy Controls
Este estudo retrospectivo, transversal e observacional que avaliou o olho normal e afetado de 102 pacientes com doenças maculares unilaterais e 169 olhos de pacientes sem patologia macular. Os pacientes foram submetidos a vitrectomia posterior com remoção da MLI para membrana epirretiniana (n=56) ou buraco macular (n=46). O objetivo foi comparar a área da zona avascular da fóvea, medida através de OCT-A. 
O estudo encontrou que a zona avascular da fóvea em pacientes com MER ou buraco macular foi significativamente menor que no grupo de pacientes sadios. Análises de regressão múltipla concluiram que uma fóvea mais espessa está relacionad a menor zona avascular, tanto em pacientes com MER, pacientes com buraco macular, e também nos controles.
Autores: Kumagai, Kazuyuki; Furukawa, Mariko; Suetsugu, Tetsuyuki; Ogino, Nobuchika
RETINA Logo
LEIA +
Association of C-Reactive Protein Genetic Polymorphisms With Late Age-Related Macular Degeneration
O objetivo do estudo foi avaliar se polimorfismos na proteína c reativa, que influenciam nos níveis circulantes dessa proteína, estariam associados à DMRI avançada. O estudo conduzido na Europa avaliou 1727 casos de DMRI avançada (1151 neovascular; 384 atrofia geográfica; 192 misto). Quatro polimorfismos de nucleotideos isolados (rs1205, rs1130864, rs1800947, e rs3093077) foram selecionados. Após diversas análises, os resultados não apontam para associação causal entre concentrações de proteína C reativa e DMRI.
Autores: Valentina Cipriani, PhD; Ruth E. Hogg, PhD; Reecha Sofat, PhD; et al
*O acesso à revisa JAMA só é possível com login. Esse acesso é só para o abstract.
JN - The JAMA Network
LEIA +
BRAVS NOVIDADE  🔎
⚪  Já renovou sua anuidade? Continue aproveitando os benefícios SBRV! 
emm2
Acesse e veja os benefícios 
*A partir de 30/Outubro/2017, os sócios SBRV que não renovarem a anuidade terão o seu acesso aos Ativos Digitais bloqueado.
Valor da anuidade: R$ 960,00  |  Pagamento através do PagSeguro.
⚪  Acesse o BRAVS Tube e confira o novo vídeo em destaque!
emm3
Autor: Dr. Magno Antônio Ferreira

Contato

11 3262.3587

atendimento@sbrv.org.br

Alameda Santos, 1343 - sala 408 | Jardim Paulista São Paulo/SP